Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A Estante

Portugal (2010)

25
Mar24

Cópia de Design sem nome (2).png

Em Portugal, Cyril Pedrosa conta uma história em parte autobiográfica. Afinal, Simon, personagem é, como o seu desenhador descendente de portugueses e autor de banda desenhada. Simon, após ter lançado um primeiro álbum de sucesso, está sem inspiração para o segundo, o que afeta o resto da sua vida, a começar pela namorada de quem se afasta cada vez mais. É o Portugal dos seus antepassados que lhe estende a mão. Primeiro, é convidado para um festival de banda desenhada, depois estabelece-se temporariamente na pequena terra de onde o avô saiu, para desenhar e sobretudo para conhecer as suas raízes. Portugal é uma delícia narrativa, mas sobretudo gráfica, com um traço elegante, que muda consoante a etapa da história, com a exploração soberba das cores.

Os senhores do crime (2024)

24
Mar24

Cópia de Design sem nome.png

Edward (Theo James) é um homem recto. No início da série vemo-lo como oficial dos chamados “boinas azuis”. Vê-se que tem o respeito dos seus soldados e vê-se que é justo e ponderado. Mas chega um carro a dar-lhe as notícias. O pai, está a morrer. Percebemos que o capitão vem das melhores famílias inglesas e que está prestes a tornar-se duque, mesmo com a existência de um irmão mais velho, idiota inútil.

De luto, percebe que o irmão, Freddy (Daniel Ings), contava ser o herdeiro e com a pretensa fortuna pagar uma dívida de 8 milhões de libras a uma organização criminosa. Para pagar a dívida do irmão, Edward considera vender a histórica propriedade, agora sua. Logo aparece em cena o americano Stanley (Giancarlo Esposito), vestido de homem rico e sofisticado, com poder mais do que suficiente para comprar a propriedade, mas, cedo percebemos que ele próprio é um criminoso de monta. E, aparece, sobretudo, Susie Glass (Kaya Scodelario), bonita, bem vestida e bem-falante, que explica ao aristocrata que o seu pai tinha com ela um negócio. Ela fazia crescer erva debaixo da propriedade e o duque recebia cerca de 5 milhões ao ano, para não querer saber muito.

E é assim que Edwards começa a lidar com Susie, Stanley e muitos outros personagens criminosos, melhor estilo de Guy Ritchie, realizador do filme The Gentleman, de 2019, que dá origem a esta série, igualmente criada por ele.

The Sad Ghost Club (2021)

20
Mar24

Cópia de Design sem nome.png

Nas primeiras vinhetas vimos uma figura. Parece ser um fantasma adolescente. Tem um lençol, problemas em dormir e está preocupado em terminar um trabalho para a escola. Percebemos que os pais vão de fim de semana e que ele fica em casa, com o gato. Vai estudar e pouco mais. Aparece o convite ara a festa, a que quer ir, mas tem muitas dúvidas. Vimos que é tímido e que tem ansiedade social. Muitas páginas depois, vimo-lo na festa. Os colegas não têm lençóis. Percebemos a metáfora. O protagonista lua contra si próprio e percebe que há outros assim. Com um traço juvenil e uma narrativa aparentemente simples, a autora, que foi vivendo algo muito semelhante, The Sad Ghost Club é um murro no estômago e uma chamada de atenção para todos os “fantasmas” que vivem entre nós e precisam de ajuda.

Quentin por Tarantino (2024)

19
Mar24

Cópia de Design sem nome.png

Amazing Ameziane (coautor de uma das versões em BD de 1984) ofereceu um grande presente ao mundo. Quentin por Tarantino é um livro colossal, obrigatório para qualquer admirador de Tarantino e para qualquer admirador de cinema. Aqui, Tarantino fala em voz própria, num longo e bonito volume com vários estilos de banda desenhada, ilustração e até texto corrido (com desenhos, claro). Conhecemos a sua infância, a relação com a mãe e com o padrasto e o percurso até triunfar no cinema.

Depois, temos acesso ao que levou à criação de obras-primas como Kill Bill (temos um vislumbre do que seriam os volumes seguintes, já que a ideia seria haver um Kill Bill a cada dez anos) ou Pulp Fiction. Somos brindados com histórias dos bastidores, do processo de seleção dos atores e com milhentos pormenores que mostram Tarantino como um profundo conhecedor do cinema.

Há ainda espaço para abordar polémicas, com toda a transparência e para perceber como QT viveu movimentos sociais como o Mee Too (Harvey Weinstein foi produtor de vários filmes de Tarantino) ou o Black Lives Matter (Tarantino protestou contra a polícia mesmo sendo muitas vezes acusado de ter falas e personagens racistas nos seus filmes).

Quentin por Tarantino é um livro obrigatório. Obrigado, Amazing Ameziane.

Fouche - El Genio Tenebroso (2023)

11
Mar24

Cópia de Design sem nome.png

Ainda não disponível em português, “Fouche - El Genio Tenebroso”, da Norma Editorial, baseia-se na biografia que Stefan Zweig escreveu sobre Joseph Fouché, político francês da altura da Revolução Francesa, conhecido pela sua falta de caracter e pelo epiteto “Judas da Revolução”. O talentoso Kim adapta a banda desenhada a vida de Fouché que foi de estudo e de estar nas sombras, sempre antevendo quem era o lado vitorioso para se colocar ao seu lado, sem pensar duas vezes.

A Árvore Despida (2024)

06
Mar24

Cópia de Design sem nome (7).png

Depois d´A Espera, volto ao traço de Keum Suk Gendry-Kim, sul coreana radicada em França. Desta vez, a autora adapta uma obra clássica do seu país, acerca de um amor proibido. Na Seul da Guerra das Coreias, cheia de soldados americanos, a jovem Kyung, já sem pai nem irmãos e apenas com a companhia da mãe, atende os estrangeiros que mandam pintar em baratos lenços locais, retratos das suas namoradas. Cabe a Kyung distribuir o trabalho pelos pintores, que ganham por retrato na esperança de juntar o suficiente para comer. Um dia, junta-se a eles Ok, vindo da Coreia da Norte e com pergaminhos de verdadeiro pintor. Mesmo tendo mulher e filhos, a jovem não consegue não se apaixonar por aquele homem misterioso, nascendo uma relação platónica que os ajuda, aos dois, a sobreviver a tempos tão duros.